Argentina

Companhia Teatro En Sepia (TES)
Alejandra Egido

A companhia Teatro en Sepia é dirigida pela diretora Alejandra Egido e formada por mulheres afro-descendentes, incluindo mulheres afro-migrantes e afro-argentinas. Foi formada em 2010 durante a realização da peça Calunga Andumba, escrita por dois dramaturgos afro-argentinos na década de 1970. Depois desse trabalho, a empresa se dedicou a escrever, produzir e encenar obras de sua autoria nas quais a experiência de afrodescendentes na Argentina é narrada e dado espaço. O espaço criado pelo TES era totalmente inexistente em um país com grande produção teatral e que, no entanto, representa principalmente as experiências dos setores médios e de uma “Argentina branca e europeia”.

O projeto CARLA acompanha um processo de documentação e reflexão sobre a trajetória do Teatro en Sepia em diálogo com o Teatro el Katango. Os diretores do Teatro en Sepia e do Teatro el Katango discutem suas trajetórias construindo formas não hegemônicas de teatro. A encenação apresenta histórias e modos de vida atacados por um projeto nacional, e que trabalham a partir da regeneração e reconstrução da vida afro e mapuche. As linhas específicas de investigação foram: descolonização de corpos racializados e sexualizados; expulsão territorial, mobilidade e diáspora; nação e interseccionalidade; arte e política; arquivos e metodologias.

Como resultado desta colaboração, Miriam Álvarez e Alejandra Egido estão imersas em uma oficina de dramaturgia em que ambas escrevem em relação à obra da outra. A forma final desta escrita em andamento ainda não é conhecida.

Para obter mais informações sobre esta companhia, consulte

https://afrofeminas.com/2014/10/29/teatro-en-sepia/

https://www.youtube.com/watch?v=-zkPPyBvo_o

Grupo De Teatro Mapuche El Katango

Miriam ÁlvarezO projeto teatral Mapuche é fruto do trabalho de dramaturgia e pesquisa que Miriam Álvarez desenvolve há mais de uma década, sediada na província de Rio Negro. O projeto de teatro documentário que Álvarez coordena atualmente surge da orientação de estudantes de teatro que realizaram um trabalho colaborativo com adultos mais velhos a partir de suas memórias de viagens de ida e volta para a cidade. Nas oficinas narram-se a produção do texto dramático e a sua encenação, a expulsão das famílias Mapuche do meio rural e a configuração da vida nos bairros populares da cidade de Bariloche. Este trabalho faz parte de um projeto de pesquisa histórico-antropológica, sediado na Universidade do Rio Negro, que estuda os efeitos do genocídio mapuche. Em épocas anteriores de trabalho, a dramaturgia, direção e atuação de Miriam Álvarez centrou-se na reconstrução da corporalidade, gestos e identidades mapuche. Esse trabalho se materializou, entre outros, na encenação da peça Pewma, focada no papel dos sonhos como veículo de memória.

O projeto CARLA está colaborando em um processo de pesquisa realizado por Miriam Álvarez em conjunto com pesquisadores da Universidade de Rio Negro sobre mobilidades mapuche e genocídio. Mais precisamente, a colaboração envolve estudantes de artes cênicas que estão analisando seus próprios trabalhos de teatro documentário.

O CARLA também acompanha um processo de documentação e reflexão sobre a trajetória do Teatro en Sepia em diálogo com o Teatro el Katango. As diretoras do Teatro en Sepia e do Teatro el Katango discutem suas trajetórias construindo formas não hegemônicas de teatro. A encenação apresenta histórias e modos de vida atacados por um projeto nacional, e que trabalham a partir da regeneração e reconstrução da vida afro e mapuche. As linhas específicas de investigação foram: descolonização de corpos racializados e sexualizados; expulsão territorial, mobilidade e diáspora; nação e interseccionalidade; arte e política; arquivos e metodologias.

Como resultado desta colaboração, Miriam Álvarez e Alejandra Egido estão imersas em uma oficina de dramaturgia em que ambas escrevem em relação à obra da outra. A forma final desta escrita em andamento ainda não é conhecida.

Para obter mais informações sobre este grupo, consulte https://www.youtube.com/watch?v=WDj-F_BGv78

http://hidvl.nyu.edu/video/000549297.html

Identidad MarrónAna

O Identidad Marrón é uma organização dedicada à visibilidade, luta e abordagem das políticas públicas em relação ao racismo estrutural na Argentina. O grupo nasceu com o objetivo de tornar visível o racismo para os descendentes de indígenas – pardos ou “marrones” – a partir da interseccionalidade, e de articular as dimensões interpessoal, institucional e cultural, buscando trazer mudanças reais no plano estrutural, nas políticas públicas e no pleno exercício dos direitos. A partir de uma abordagem antirracista, procurar dar sentidos à identidade marrom, com uma agenda de trabalho em vários campos, como gestão cultural, direito, comunicação, artes, cinema, ciências sociais e políticas.

PabloAtualmente, o Identidad Marrón está escrevendo um livreto sobre arte, noções “marrones” e anti-racismo com o apoio editorial do projeto CARLA (Ana e Pablo). O CARLA também está realizando um estudo público sobre a exposição com curadoria do Identidad Marrón, “O que os museus precisam aprender”.

Para obter mais informações sobre o grupo, consulte

https://www.youtube.com/watch?v=nycDZcmCzsQ&t=1s 

https://www.youtube.com/watch?v=gRyKAziJrjs&t=2s

 

EskinaQom

EskinaQom é o projeto atual dos irmãos Brian e Nahuel Lopez, que, ao ritmo do hip hop de bairro, cantam com toda a força de sua língua nativa. O download de seu disco está disponível em https://soundcloud.com/amambay100000/sets/rap-originario e https://eskinaqom.bandcamp.com/album/rap-originario. O álbum foi lançado em 21 de junho de 2016, o “Ano Novo indígena”, nas palavras do grupo: “porque acima de tudo, este álbum é para reivindicar nosso povo e compartilhar sua cultura com todos os povos”.

Para ver um dos vídeos do Eskina Qom, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=dW3BRa-szdg.